Out
26

1



A directora de turma nem estava a perceber bem a questão colocada pelos pais. “Mas a nota de Educação Física não conta para a média final”, argumentava. Pois não, mas contava para a média que a escola definira para os alunos poderem entrar no quadro de honra, e o seu filho ficava de fora por causa do professor de Educação Física. Por causa do professor que era muito exigente e não subia a nota do aluno. Não porque o seu filho fosse gordo e não tivesse coordenação motora, note-se. Do meu lugar, só me apetecia dizer isso, mas abstraí-me da insistência daqueles pais, a que se juntaram outros para dizer que não havia razões para o professor ser tão exigente, e entrei num monólogo silencioso:

“Sim, sim, a culpa é do professor que não dá as notas de que os meninos precisam. Daquele professor que, porque anda de fato de treino pela escola é, de certeza, um professor de segunda, logo não pode ser exigente como as colegas de Biologia que envergam a bata imaculadamente branca, mesmo que naquele dia não tenham aulas práticas para dar.

O professor de Educação Física nem sequer estudou para ser professor! De certeza que não teve aulas de Anatomia, nem de Fisiologia, nem de Bioquímica na universidade… Mas teve — iguais àquelas que os vossos filhos vão ter em Medicina.

De certeza que este professor não percebe nada de saúde, de condição física, de bem-estar, de nada, é só mandá-los dar umas cambalhotas e, logo por azar, os meninos não fazem exactamente como o professor quer, porque ele é exigente.

O escândalo! Todos os outros professores podem ser exigentes, menos o de Educação Física porque toda a gente sabe que os alunos bons a educação física são os burros, porque qualquer um de nós, se quisesse mesmo, conseguia nadar como o Phelps e fazer golos como o Ronaldo! Nós é que não queremos! Difícil, difícil é empinar matéria, sem qualquer sentido crítico, sem questionamento, isso é que é mesmo quimérico, agora uns pinos…

Educação Física? Disciplina de segunda! Para que serve? Aprender umas danças, para quê? Saber as regras do basquete ou do vólei, que felicidade me traz? Cultura geral, pais, cultura geral, sabermos falar de tudo, sabermos diferenciar os ritmos latinos das valsas de Viena, já viram o sucesso que fará o vosso filho se convidar uma miúda para dançar no baile de finalistas e souber dar uns passinhos de dança? A autoconfiança que sentirá?”

A directora de turma dá por terminada a reunião e eu dou por terminado o monólogo. Aconteceu há quase um ano.

Agora, o Governo decidiu e bem que a nota de Educação Física volta a contar para a média final do secundário. Bem, porque nem a disciplina, nem os seus professores são de segunda. Aliás, a disciplina é de primeiríssima e deveria ser cada vez mais importante porque contribui para que tenhamos filhos com mais saúde, logo, a longo prazo e se se mantiverem os hábitos adquiridos nestas aulas, hão-de ir ao ginásio por sua iniciativa, combinar uns jogos de basquete ou de futebol com os amigos, não terão tantas doenças, envelhecerão mais saudáveis, etc, etc.

Mens sana in corpore sano. E por falar em mens sana, para quando a Filosofia até ao final do secundário em todos os cursos? Sim, porque esta também não é de segunda e contribui para termos meninos menos acríticos e com mais valores. Para uma sociedade melhor. Fica a sugestão.

PS: Eu nunca soube dar um pino, fazia mal a roda, tinha medo do salto sobre o cavalo e, no meu tempo, não se aprendia a dançar, uma pena.




Autor: Publico.pt – Educação




1 Comentário para “Oh, não! A Educação Física conta para a média…”

  1. Racir says:

    Alguém não observa as aulas de EF que se dão nas escolas deste país ou não está atento às classificações de EF nos colégios privados!

    Responder

Deixe o seu comentário